sábado, 26 de junho de 2010

O passageiro das quatro estações


Quando a moça adentrou no portal,ele sabia que poderia amá-la por conta própria.Também sabia que não poderia amá-la por si só. #e_conto

Talvez,pelo fato de que a vida imite sem jeito o sonho;e o sonhar talvez seja como reacomodar o viver em sentido contrário! #e_conto

E o moço,meio que a contragosto,fez de conta que não entendia os sinais,deixando ao Mágico Tempo decifrar seus próprios enigmas. #e_conto

Viver é escrever o próprio destino,além das próprias palavras.E o moço vazio de si bem sabia que o mundo era bem maior que isso. #e_conto

As palavras possuem vida própria,mas nem tudo elas podem contar.Entre o segredo e o degredo há às vezes grande interrogação. #e_conto

O moço,passageiro do próprio destino,num desatino,desceu naquela misteriosa estação,sem malas nem itinerário,atrás daquela moça. #e_conto

Não era aquele o seu caminho,ele sabia,até descobrir que nada sabia,nem de si mesmo.Sua bússola sentimental é que o guiou até ali. #e_conto

Naquela estação,como um estranho portal,o coração do moço sentiu o tempo rodopiar em falso,feito redemoinho sem explicação. #e_conto

Naquele mundo,um segundo era um montão.A moça era soberana de seus sonhos,e o trem,que ía e vinha,tinha a sua própria missão. #e_conto

O destino os aproximou,destinados estavam a se cruzar naquela estação,ainda que estivessem noutra estação interior ao desembarcar. #e_conto

Quando ele a viu primeiro,e ela nem notou,ele sabia,depois lhe contou,que tinha certeza de conhecê-la,mesmo diante do improvável. #e_conto

Inimaginável é passar por essa vida com a bússola errante,passando diante do seu Norte magnético,com pressa,sem o reconhecer. #e_conto

Mas o destino mostrou-lhe que aquela viagem(e desembarque)era apenas de passagem.Em apenas uma imagem,toda uma outra vida pode ver. #e_conto

Nem tudo que se vê,se crê.Nem tudo que se crê,se vê.Ele,que nem sabia de sua existência,intuía que um dia iria,enfim,conhecê-la. #e_conto

E naquele instante,diante da moça de seus sonhos,ele tornou-se quase imortal,recuperando em parte suas recordações. #e_conto

Lembrou-se da primeira estação,quando era ainda verão,e o calor da primeira paixão o fizera soldado fiel daquela bela rainha. #e_conto

Naquele tempo distante,ele soldado errante,morrera literalmente de amor,guerreando pelo reino encantado em que a moça era soberana. #e_conto

Recordara também da segunda estação,quando as flores caíam sem parar,e que sempre chegava atrasado para conhecer seu grande amor. #e_conto

Nela,ele era escravo fugitivo,e a moça liberta,uma defensora da liberdade,igualdade e fraternidade.Ele perdera a cabeça,ela não. #e_conto

Depois que o destino joga os seus dados,tudo está fadado a acontecer conforme a soma dos quadrados,o moço sabia muito bem. #e_conto

Depois que o amor joga os seus invisíveis dardos,nem tudo é tão certeiro,visto que o alvo é sempre móvel,e a vida tão passageira. #e_conto

Na terceira estação,frio,vento,chuva,encaixaram-se como luva no ânimo do poeta,que mais uma vez chegou atrasado ao encontro marcado.#e_conto

Quando o moço reencontrou a mesma mulher das demais estações,ela estava destinada a outro,e ele resignou-se com aquele desencontro. #e_conto

Foi na quarta estação,a das flores,enfim,quando ele ali desceu,sempre sem destino,que um mundo novo se descortinou ao seu redor. #e_conto

Na última estação,o moço pode recordar de todas as demais.E o tempo recomeçou a girar os grãos de sua imensa ampulheta mágica. #e_conto

E o moço,até então de olhos bem abertos,sonhando acordado,na verdade foi despertado pelo apito de um trem,vindo sabe-se lá de onde. #e_conto

Desperto do transe,o passageiro das quatro estações,indagou-se sobre a possibilidade de existir vida sem sonho n'algum outro lugar. #e_conto

Sentado no meio da estação,solitário em plena multidão,pensou se quando se perde o sonho perde-se também o sono e algo mais. #e_conto

De olhos bem abertos,o moço custou a acreditar no que via:diante dele,a mulher dos seus sonhos se materializara num pestanejar. #e_conto

O passageiro viajara pelas quatro estações,ora subvertendo a lógica do tempo,ora subtraindo dos dias aquela imensa saudade. #e_conto

Ele a conhecia,desde sempre,eternamente;ela é que o estava conhecendo apenas naquele instante em que o sonho imitou a realidade. #e_conto

Ele olhou para ela como quem retorna de longa viagem,sentindo-se em casa como se nunca tivesse sido habitado antes por aquela visão.#e_conto

A moça do brinco dourado,de pé naquela estação,viu um mar de rostos sem expressão - todos vagando apressados -,fixando-se em um só. #e_conto

De mundos diversos:um sem mala alguma;outra com a bagagem pesada demais,como quem carrega pedras ou deseja por uma sobre algo. #e_conto

O moço sem nome ofereceu à moça de seus sonhos ajuda para carregar as malas,sem se importar com o destino daquele trem das onze. #e_conto

Ela reconheceu nele o reflexo de um amigo distante - passageiro de um tempo errante - que não soube bem precisar,até o trem apitar. #e_conto

O tempo possui três dimensões entrecruzadas: o sonho,o segredo e a vida.O destino possui também três: a amizade,a paixão e o amor. #e_conto

A cada reviver,o passageiro nem sempre dá-se conta de em qual dimensão poderá desembarcar,carregando apenas a bagagem interior. #e_conto

Depois de vagar pelas quatro estações,ele enfim chegou adiantado,aguardando pela chegada da moça do brinco dourado,naquela estação. #e_conto

Naquele instante único,passado,presente e futuro brincaram de rosa dos ventos na mente do passageiro,condutor do próprio destino. #e_conto

Nas três estações anteriores,ele tinha confundido as placas com outra sinalização,descendo bem antes ou muito depois da moça. #e_conto

A viagem era longa e a esperança do reencontro mais longa ainda.O passageiro já temia que a viagem fosse apenas em sua imaginação. #e_conto

Passou a duvidar do que vivia (não do que sentia) e da possibilidade que nutria de viajar no tempo;daquele amor torná-lo imortal. #e_conto

Ah,o amor!Não é flor delicada que se colha na primeira estação.Os céticos dirão que tudo não passa de coisa de poeta,de sonhador. #e_conto

A moça,desconhecendo a jura secreta do moço,vagando pelos corredores do tempo,convidou-o para sentar-se ao seu lado no trem lotado. #e_conto

Lado a lado,Solitário e Solidão olharam-se ao seu modo.Ele confiava no tempo e no amor;ela desfiava seu novelo,fiando suas memórias.#e_conto

A moça reconhecera no ilustre desconhecido,um passageiro dos seus sonhos perdidos,um conhecido que retornava de viagem sem avisar.#e_conto

Todo encontro às vezes é um reecontro às avessas,promessa de vida,quando duas pessoas por acaso,despem-se do corpo e vestem a alma. #e_conto

Desconfiavam que nada é por acaso,nem mesmo o acaso,quando se encontraram naquela derradeira estação e embarcaram naquele trem. #e_conto

Ele recusava-se a viver outra viagem sem poder amar dessa vez de fato,ainda que o Amor parecesse uma palavra quase sobrenatural. #e_conto

Sem aquela procura e sentimento agregado àquela moça,sua imortalidade era banal.E sem aquele encanto,o passageiro era reles mortal. #e_conto

O moço temia que se o amor verdadeiro,de fato não existisse,a vida seria grande prisão a céu aberto,o que faria dele um fugitivo. #e_conto

Sua pequena imortalidade vagava no sentido inverso de sua imensa felicidade,que seguia junto à moça,naqueles trilhos e dormentes. #e_conto

Metade dos passageiros dormia de olhos fechados,a outra metade de olhos abertos.Os únicos acordados eram ele, ela e o maquinista. #e_conto

Diante do óbvio,de que o Amor nos possui,mas nem sempre possuímos o Amar,o passageiro percebeu,enfim,que não precisava mais voltar. #e_conto

Aquela era a sua última e longa viagem,tinha perdido pelo caminho parte da inocência e imortalidade,mas era preciso seguir adiante. #e_conto

Enquanto a moça tricotava suas memórias,ele,sentado ao seu lado,pensava que o Amor é em parte uma viagem interior,uma idealização. #e_conto

Todo passageiro das quatro estações nunca sabe ao certo o que se passa além do mundo exterior,dentro do mundo particular da amada. #e_conto

Mesmo assim,tudo que é verdadeiro lembra chama: alimentada deve estar para que possa alimentar também o sonhar e o amar de cada um. #e_conto

A viagem se completa,por sorte,quando o passageiro encontra ao seu lado,mais que a companheira de viagem,além do meio de transporte.#e_conto

A viagem era longa e os demais estavam sonolentos.O moço teria dessa vez tempo de sobra para estar com a amada de outras estações. #e_conto

Aquela seria,com certeza,a sua última viagem,independente do que acontecesse pelo caminho com seu Amor e o seu Amar,isso ele sabia. #e_conto

O passageiro das quatro estações abdicaria de sua imortalidade infecunda,para fecundar na vida comum daquela moça,outra esperança. #e_conto

Quando a moça subiu naquele trem,ele sabia que poderia amá-la por conta própria.Mas também sabia que não poderia amá-la por si só. #e_conto

THE END

José Antonio Klaes Roig

Observação:

Este primeiro #e_conto surgiu de forma despretensiosa, como uma experimentação das possibilidades literárias do Twitter, e foi tomando uma proporção maior do que estimava seu autor. Muitos dos tweets foram desencadeados através de papos informais, que tornaram-se filosóficos, e depois reformulados para serem incorporados em 140 caracteres mais a #tag #e_conto. Foi desafiador, mas confesso que igualmente motivador, pela recepção do público tuiteiro.
Um exemplo disso, foi a mensagem da coleg'amiga Karine Paim, registrada aqui no espaço de comentário deste post, que dizia que ao ler os tweets do #e_conto, chegava a ouvir a canção Por Enquanto, na voz de Cássia Eller, logo abaixo.
Grato a Karine e todos os tuigos que de forma direta ou indireta influenciaram na criação, manutenção e conclusão deste projeto literário, barizado de #e_conto (Contos Eletrônicos).
A formatação dele também se propõe subverter a lógica do próprio blog, ao colocar todos os tweets numa mesma postagem, possibilitando que o leitor acompanhe a história de modo convencional: de cima para baixo.
Enfim, uma forma também de educadores trabalharem produção textual com seus alunos, de forma curta, concisa, clara e objetiva.
Conversando com outra coleg'amiga, a prof. Elis Zampieri, com quem divido outro projeto literário, o R.E.M. - Rápido Movimento do Olhar, vimos possibilidades de que outros educadores possam se apropriar de ferramentas como Twitter, Blog etc, mesclando arte e cultura, educação e tecnologia, literatura e interpretação de textos, sem falar na possibilidade de um educador trabalhar com outro, mediando uma oficina em que os alunos sejam distribuídos em três grupos: o primeiro, dos poetas, que se dediquem a criação de uma história; o segundo, que busque imagens para ilustrar a história, seja fotografia, desenho, imagem da web, e o terceiro, que trabalhe com música, criando ou não também uma trilha sonora.
Está ai lançado um desafio a outros educadores...

Abaixo, trilha sonora informal, construída junto com esse primeiro #e_conto:

1. CÁSSIA ELLER - POR ENQUANTO


Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=XVVmAG0RXmo

2. RONAN KEATING - IF TOMORROW NEVER COMES (SE O AMANHÃ NUNCA CHEGAR)

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=J8TMrqMJv6I

3. ADRIANA CALCANHOTO - NAQUELA ESTAÇÃO

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=9q-4ghSFDzI&feature=related

4. JOHH MAYER - FREE FALLIN' (CAINDO LIVREMENTE)

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=fUioEjImYak&feature=related

5. JOE BROOKS - MY HEART WILL WAIT (MEU CORAÇÃO VAI ESPERAR)

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=b-MqrPT1EqA&feature=PlayList&p=EFAAA7181F3FAE1D&playnext_from=PL&playnext=1&index=56

6. LEONA LEWIS - I SEE YOU (EU TE VEJO)

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=2wCBxCZ8Q44&feature=related

7. ZÉLIA DUNCAN - PELO SABOR DO GESTO

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=eHdlGpHxCdQ

8. JAY-Z E MR HUDSON - FOREVER YOUNG (PARA SEMPRE JOVEM)

Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=Tx7hhPvC41g

9. NANDO REIS - POR ONDE ANDEI

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=pnxRvHKjC3Y&feature=related

10. MOBY - DREAM ABOUT ME

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=cPmVHMPn9jI

11. COLDPLAY - THE SCIENTIST

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=BsuU9pnQhFg

12. LENINE - AQUILO QUE DÁ NO CORAÇÃO

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=a9TioUeZ4e8

13. JOE EGAN - BACK ON THE ROAD

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=wZecmBRpfXI

14. RENATO RUSSO - IF TOMORROW NEVER COMES (SE O AMANHÃ NUNCA CHEGAR)

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=6d0jmgmCuuY

12 comentários:

  1. Ah, amigo

    Você é de uma inspiração subjetiva e ardorosa. Seus textos nos remetem à uma atmosfera de sonhos possíveis e imagens harmoniosas
    Obrigada por mais esse presente
    Parabéns por mais essa iniciativa
    Beijo de luz
    Semíramis

    ResponderExcluir
  2. De acordo Semíramis! Ler Roig é sentir o poema a nossa volta, inspiração total!

    ResponderExcluir
  3. Puxa, caros amigos Se e jackson, fico profundamente sensibilizado com as palavras de vocês. Posso dizer sem sombra de dpuvidas que de fato eu vivo cada letra, palavra e verso que escrevo fruto de uma imaginação poética, inspirada em meu entorno real e virtual. O #e_conto é fruto disso. nascido no tuiter, publicado priemrio lá e depois transposto pra cá.
    Imagine essa proposta como produção textual entre alunos,de forma colaborativa, textos curtos, inspirados tb em canções, vídeos, clipe, etc. Quem sabe um novo projeto futuro! hehe
    Um abração a ambos e grato pelo carinho e amizade.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Roig!
    Já tinha lido uns pedaços do #e_conto, agora ler de ponta a ponta é emocionante... Me senti na estação, torcendo p/ o final não chegar só p/ não parar de ler... Mas também pra chegar logo, para saber do final...
    Amei!!! Esse é mais um presente que recebemos de ti!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Olá querido.
    Como sempre tuas palavras nos prendem do início ao fim. Imaginei isso como um curta e que tal Cássia Eller cantando "Mudaram as estações.. nada mudou..." ficaria absolutamente perfeito!
    Ps. Curiosíssima pelo final..
    Bjos.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Karine, tua ideia de um curta, ótima mesmo. Daria uma bela adaptação. Quanto a canção, fantástica: Mudarama s estações, tudo a ver com as quatro estações e seu passageiro que nada muda, atrás de seu grande amor. Adorei a sugestçao e vai pra trilha sonora que estou montando, e ficará abaixo do texto. Brigadu, querid'amiga. Um abração,

    ResponderExcluir
  7. Oi Zé!!
    Mas que maravilha isso aqui, que criatividade, sensibilidade, domínio da lingua, fazendo arte com 140 caracteres, genial! Adorei a idéia e o conto. Fiquei lendo louca para saber o final. Realmente me absorveu como um belo e bom livro essa leitura. Amei a idéia!
    Beijos e parabéns!!
    Rosa

    ResponderExcluir
  8. Oi, Rosa, esse #e_conto começou como experimentação e foi tomando uma outra dimensão! Fico feliz com a receptividade. Que bom que você gostou! Um abração!

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Li sem a trilha mesmo... Mas voltarei aqui mais vezes, pois há trechos muito lindos, delicados, trechos p/ refletir sobre a vida...
    Quantas pessoas conhecemos pelas estações da vida, né?! Encontros, desencontros...
    Muitas pessoas dizem que os 140 caracteres são uma limitação (como dizer "tudo" em 140 caracteres?).
    Eu penso que seja algo que traduz essa realidade que vivemos, onde o tempo dá impressão de correr tão depressa, sobrando pouco tempo p/ se dizer muito, ou tudo...
    Essa "economia" nos obriga a procurar o máximo de significado (ou de sentido?) em poucas palavras. Fica a possibilidade de reler, e nessa re-leitura perceber o(s) sentido(s) do que tentou ser dito/escrito em poucas letras...
    Amei o #e_conto.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ivanise. É exatamente esse o bjetivo do #e_conto, demonstra as possibilidades do tuiter, tanto como comunicação, tanto como produção variada, nesse caso, literária.
    Sim, dizer muito em poucos caracteres é um grande desafio. E muitas vezes tive que reformular o esboço do tweet para poder publicá-lo dentro do espaço possível. Foi um exercicio de arte-sanato da palavra... Fico feliz com a receptividade, e que tenhas gostado, pois és uma maiga talentosa, que muito admiro. Um elogio teu é sempre motivador.
    Que outros #e_contos se sucedam neste espaço virtual. Um abração, querida amiga!

    ResponderExcluir
  11. Meu caro amigo!
    Você me tirou o fôlego!Que lindo! Você vai longe! Amei! BJ!

    ResponderExcluir
  12. Querida Marli. Fico lisonjeado com tua visita e comentário. Aunda mais tu, que trabalha com escritores em teu fazer pedagógico.
    Mais uma mensagem que me motiva a seguir em frente, neste e noutros projetos literáiros e educacionais.
    Um grande abraço, amiga! Brigadão pela visita.

    ResponderExcluir